" Cada pessoa se alimenta do que lê, do que escuta, do que vê, de tudo que recebe do mundo e incorpora a si, assim como absorve um perfume. E se torna um pouco daquilo que fala, que ouve e toca. Se suas idéias e pensamentos são partes construtivas do seu ser, cada um doa seus conteúdos ao mundo ao expressá-los através de suas palavras e gestos ".

I Ching --- Livro : Medicina Integrativa - A cura pelo equilíbrio - Paulo de Tarso Lima.



domingo, 28 de fevereiro de 2010

Tristis in hilaritate, hilaris in tristitia

Outro dia fui abordada de forma grosseira.
Na mesma hora pensei: essa pessoa só pode ter o teto de vidro. E logo tive a resposta. Realmente ela não tinha. Se fosse no passado eu teria respondido na mesma velocidade da incompreensão e da raiva. Mas, o silencio e a consciência, de mãos dadas, levaram-me a um gramado lindo, verde, que exalava o cheiro da liberdade e a lua delicadamente tomava o lugar do sol.

Eu teria todos os argumentos para desmentir as insinuações, mas lembrei que a esperança deu lugar a decepção. E qualquer palavra que eu dissesse não teria valia nenhuma.
O silencio tem o poder de curar as piores mazelas da alma, principalmente a frustração, explica mais do que um fluxo de palavras...E mesmo com a razão retribuir uma ofensa é burrice.

açucar x etanol

Enquanto o governo não criar um estoque regulador de etanol teremos sempre essas oscilações. Em meados de março o combustível deverá ter preços menores, mas em junho, na entresafra, as remarcações voltarão novamente.
Depois de 40 anos de autonomia a Petrobrás voltou a importar gasolina... Aliás, está comprando mais caro do que vende. Ela não pode quebrar contratos de exportação e os usineiros produzem açucar, que no momento está mais valorizado.... enquanto isso a publicidade do etanol está a todo vapor na Europa e EUA.
Veja a opinião de especialistas :

http://videos.band.com.br/v_50716_faltam_politicas_para_evitar_aumento_nos_combustiveis_no_brasil.htm

Edição : Denise Belintani

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Cérebro humano tem aversão a desigualdade

Cérebro de pessoas que receberam mais dinheiro em experimento se alegra com ganhos de menos privilegiados.

Carlos Orsi, do estadao.com.br

O cérebro de uma pessoa "rica" se alegra quando um "pobre" ganha algum dinheiro, mas o cérebro do "pobre" não acha graça em ver o rico enriquecer ainda mais, o que sugere a presença de um instinto de aversão à desigualdade instalado na mente humana. "Ricos" e "pobres", no caso, são voluntários de um experimento envolvendo distribuição desigual de dinheiro e ressonância magnética, realizado por pesquisadores dos EUA e Irlanda e publicado na edição desta semana da revista Nature.

"Nós vemos atividade em parte do cérebro associadas à resposta a recompensas quando voluntários observam a si mesmos ou outras pessoas recebendo vantagens monetárias em potencial", explica um dos autores do trabalho, John O'Doherty, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em entrevista ao estadao.com.br.

Na realização do estudo, voluntários, divididos em duplas, receberam US$ 30 cada e, em seguida, participaram de sorteios onde, dependendo do resultado, cada um foi designado "rico" (recebendo US$ 50 a mais) ou "pobre" (não recebendo nenhum dinheiro extra).

Os voluntários das duplas foram então submetidos então a ressonância magnética funcional do cérebro, enquanto um pesquisador propunha novas transferências de dinheiro para um ou outro membro, analisando a atividade de duas áreas - o estriato ventral e o córtex frontal ventromedial - que reagem ao recebimento de recompensas.

Tanto "ricos" quanto "pobres" tiveram aumento na atividade cerebral das regiões analisadas quando recebiam a proposta de obter mais dinheiro. No entanto, o cérebro dos "ricos" animava-se mais quando a proposta de ganho era feita ao "pobre" do que quando era dirigida a si mesmo. No caso dos participantes "pobres", o efeito era o oposto: a área de recompensa do cérebro era mais estimulada por ganhos próprios do que por pagamentos ao "rico".

Além de se submeter à ressonância magnética, os participantes também responderam a questionários sobre a experiência. Ambos os grupos disseram valorizar as recompensas extras recebidas, embora os membros do grupo rico dessem menos valor a esses ganhos que os do grupo pobre. E, em contraste com os dados cerebrais registrados, os "ricos" responderam dizendo que davam mais valor aos pagamentos recebidos pessoalmente do que aos feitos aos "pobres".

"Sim, isso é intrigante", diz O'Doherty, sobre a diferença entre a resposta verbal e a prevista pela ressonância. "Mas, claro, são esses enigmas que nos levam a realizar novas investigações. Minha intuição é de que, se pedíssemos às pessoas para realmente escolher entre várias transferências que variem no grau de aversão à desigualdade, poderíamos encontrar padrões de escolha parecidos com os que vimos no cérebro".

Outra característica do estudo é o fato de ele evitar estabelecer qualquer tipo de competição ou custo para os participantes: nem "ricos " e nem "pobres" sofreram perdas quanto o outro grupo ganhava mais recursos. Mas essa situação não difere da percepção dos efeitos da desigualdade que existe na sociedade?

"A razão pela qual não fizemos isso é que se um aumento na riqueza de um jogador estivesse associada a uma redução na de outro, então efetivamente um jogador estaria sendo punido e o outro recompensado", explica O'Doherty, acrescentando que isso complicaria o trabalho.

"Estaríamos olhando para reações a recompensas a si mesmo e ao outro, e reações à punição de si mesmo e do outro", o que criaria a dificuldade extra de "desemaranhar" os diferentes impactos na atividade cerebral.

Com a ressalva de que a evolução biológica de fenômenos com a aversão à desigualdade não é sua área de especialização, o cientista cita a necessidade de coesão dentro dos grupos humanos como uma possível causa desse mecanismo.

Mesmo reconhecendo que os seres humanos competem e lutam entre si, ele pondera que "a presença de um certo grau de aversão á desigualdade pode ser um fator importante em moderar essa competição, reduzindo a probabilidade de que o excesso de competição faça com que os grupos se destruam por completo".

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,cerebro-humano-tem-aversao-a-desigualdade-mostra-estudo,515546,0.htm

Tem vaga

Em Janeiro foram 180 mil vagas com carteira assinada. O Ministério do trabalho ainda prevê a criação de 2 milhões de empregos até o final do ano.

http://videos.band.com.br/v_50536_os_segredos_para_se_dar_bem_no_mercado_de_trabalho.htm

Imagens : André Alexandre / Carlos Varela com apoio de Jair Rodrigues
Edição : Pedro Motta

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

ANTONIO PRATA

Parece que ele leu meus pensamentos...

Coluna de segunda -feira, 22, Estadão.

DÉFICIT PÚBLICO
Por Antonio Prata

“Imagine que você tem uma conta corrente no coração de cada pessoa com quem se relaciona. Cada vez que você faz uma coisa boa para ela, ganha crédito. Cada vez que ela faz algo para você, realiza um débito. Como está seu saldo nessas contas?”. Assim falava o homem da TV, uma espécie de palestrante motivacional. Ou desmotivacional, pois mal comecei a vislumbrar meus extratos nos corações alheios, percebi que estava próximo à bancarrota.
Houve um tempo em que eu tinha tempo de sobra, e gastava-o ao meu bel prazer. Uma noite, saía com os amigos. Na outra, encontrava a namorada. Um conhecido lançava um livro? Lá ia eu, se estivesse afim. Era feliz e não sabia: vivia no azul nos peitos de todo mundo e, acredito, tinha até pequenos créditos por aí.


Acho que foi lá por 2004, quando comecei a trabalhar muito, que os negócios desandaram. Sem tempo para nada, passei a gastar meu saldo: “Pedrão, valeu pelo convite, mas tenho que terminar a crônica!”; “Nina, adoraria ir, mas é a última semana aqui do roteiro”; “Mãe, não consigo almoçar esse domingo, tenho que agilizar o romance”. Hoje, para onde quer que eu olhe, estou no cheque especial.Sábado passado, dois amigos me chamaram para tomar um chope. Antigamente, escolheria. Hoje, calculo: qual deles, caso eu não encontre, mandará nossa amizade para o SERASA? O Pedro foi pai já faz seis meses e eu ainda não conheço a filha, mas o Felipe deu uma festa de trinta anos em outubro e eu não fui. E aí?

Caro leitor, não quero passar a ideia, muitíssimo equivocada, de que sou uma pessoa blasé e reclusa, que prefere a companhia dos livros a das pessoas. Gosto dos outros. Sartre que me desculpe, mas o inferno sou eu mesmo que, com a minha inépcia no equilíbrio entre trabalho, amor e amizades, acabo me endividando todo. E o problema das grandes dívidas é que, a partir de uma certa quantia, você já não consegue amortizá-las. O que faz, então? Aumenta os juros, em forma de promessas. Foi o que eu fiz com o Pedro, quando decidi ir tomar chope com o Felipe: “Queridão, vamos fazer melhor: esquece o chope, vem almoçar em casa, domingo. Vou assar um leitão para você, sua mulher e a filhota!”.

O almoço foi ótimo. Tá pago, então? Com Pedro, tá. O problema é que, para gastar o domingo com ele, eu me afundei mais ainda no vermelho com minha mãe, que havia me chamado para almoçar, com a minha mulher, com quem tinha combinado de ir ao teatro e com a Vivi, editora do Metrópole, a quem deveria entregar essa coluna segunda, mas só a receberá na terça. Tudo bem, Vivi? Não fica brava. Prometo que, na outra semana, te entrego sexta de manhã! (Se bem que combinei de jantar com o Rodrigo, na quinta. Será que eu cancelo? De novo?! E agora?!).

Kassab

http://videos.band.com.br/v_50239_brasil_defesa_de_kassab_deve_entrar_com_recurso_hoje.htm

Edição : Even Sacchi

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

JORNAL DA BAND 20-02-10

Previsão do tempo
video

Rodada futebol

video

Encerramento

video

domingo, 21 de fevereiro de 2010

A CABANA

Ganhei o livro de aniversário. Ouvi muitas pessoas fazendo diversas recomendações para a leitura. Ainda não cheguei ao fim, mas um parágrafo está me chamando atenção.

O que limita a liberdade? A herança genética da família, o metabolismo, doenças da alma que o inibem e amarram, influencias sociais externas, os hábitos que criaram elos e caminhos sinápticos no seu cérebro. Anúncios, propagandas e paradigmas. Diante dessa confluência de inibidores multifacetados, o que é de fato a liberdade?

Passo a milhas de distancia da arrogância em querer saber todas as respostas, mas essa questão me faz observar tudo e todos os comportamentos. E talvez entender que as respostas mais importantes não são únicas. Elas derivam de experiências, e cada um tem a suas. Assim, o que é ideal para mim pode ser uma tortura para outra pessoa. E isso já foi comprovado.

A cada dia percebo a loucura de excessos que estamos vivendo e, pelo menos tento, me livrar das cobranças internas e ter alguns minutos livres em minha mente.

A dor tem a capacidade de cortar nossas asas e nos impedir de voar.

Fim horário de verão

http://videos.band.com.br/v_50175_horario_de_verao_termina_a_meia_noite_deste_sabado.htm

Imagens : Carlos Alberto
Edição : Even Sacchi

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Preço etanol

O preço do etanol deverá dimiuir a partir da segunda quinzena de março.

http://videos.band.com.br/v_49924_preco_do_alcool_comeca_a_cair_a_partir_do_proximo_mes.htm

Imagens : Carlos Varella com apoio de Jair Rodrigues
Edição : Eduardo Sorrentino

JORNAL DA NOITE - terça-feira

As favoritas do 2º dia de carnaval do Rio de Janeiro

video

Em São Paulo, briga na quadra da Rosas de Ouro. A escola não vencia há 16 anos.

Imagens : Carlos Varella com apoio de Jair Rodrigues.

video

Troféu Band Folia

video

JORNAL DA NOITE - segunda-feira

Carnaval de celebridades no Rio de Janeiro

video

Termina sequestro no Rio Grande do Sul

video

Ultimo bloco do jornal

video

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Bloco de carnaval + marchinhas de São Luiz do Paraitinga

Nos blocos de rua , realmente, há diversão. E pela primeira vez em 25 anos o consurso de marchinhas de São Luiz de Paratinga aconteceu em São Paulo.


video

Imagens : Carlos Varella com apoio de Jair Rodrigues

Edição : Pedro Motta

A felicidade e o amor

As pessoas ficam procurando o amor como solução para todos os seus problemas quando, na realidade, o amor é a recompensa por você ter resolvido os seus problemas" (Norman Maller).

Temos a mania de achar que amor é algo que se busca. Buscamos o amor nos bares, na internet, na parada de ónibus etc. Como num jogo de esconde-esconde, procuramos pelo amor que está oculto dentro das boates, nas salas de aula, nas plateias dos teatros. Ele certamente está por ali, você quase pode sentir o seu cheiro, precisa apenas descobri-lo e agarrá-lo o mais rápido possível, pois só o amor constrói, só o amor salva, só o amor traz felicidade.
Há quem acredite que o amor é medicamento. Pelo contrário, se você está deprimido, histérico ou ansioso, o amor não se aproxima, e, caso o faça, vai frustrar sua expectativa, porque o amor quer ser recebido com saúde e leveza, ele não suporta a ideia de ser ingerido de quatro em quatro horas, como um antibiótico para combater as bactérias da solidão e da falta de auto-estima.
Você já ouviu muitas vezes alguém dizer:"Quando eu menos esperava, quando eu havia desistido de procurar, o amor apareceu". Claro, o amor não é bobo, quer ser bem tratado, por isso escolhe as pessoas que, antes de tudo, tratam bem de si mesmas.
O amor, ao contrário do que se pensa, não tem que vir antes de tudo. Antes de estabilizar a carreira profissional, antes de fazer amigos, de viajar pelo mundo, de curtir a vida. Ele não é uma garantia de que, a partir de seu surgimento, tudo o mais dará certo.Queremos o amor como pré-requisito para o sucesso nos outros setores , quando, na verdade, o amor espera primeiro você ser feliz para só então surgir, sem máscara e sem fantasia. Esta é a condição. Ser feliz é uma tarefa razoável, não é tão complicada.
Felizes são aqueles que aprendem a administrar seus conflitos, que aceitam suas oscilações de humor, que dão o melhor de si e não se auto flagelam por causa dos erros cometidos.
Felicidade é serenidade.
Não tem nada a ver com piscinas, carros importados e muito menos com príncipes encantados.

(Martha Medeiros, escritora)





Texto enviado pela querida Veridiana Moraes.

Dá para recuperar algumas horas de sono perdido ?

http://videos.band.com.br/v_49702_cotidiano_falta_de_sono_nao_e_problema_apenas_no_carnaval.htm

Imagens : Ulisses + Carlos Varella
Edição : Lívia

Passeios irregulares

Calor de 40 graus no feriado e a represa do Guarapiranga parecia ser a única opção para os paulistanos se refrescarem. Centenas de pessoas. Dezenas de barcos. Nem todos regulares . Um perigo a vista de todos, menos para a fiscalizaçao.

http://videos.band.com.br/v_49779_jornal_da_band_flagra_barcos_clandestinos_em_represas_de_sao_paulo.htm

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Chico Xavier - O FILME

Dia 02 de abril de 2010 estréia em circuito nacional o filme de Daniel Filho, Chico XAVIER - O FILME. Site Oficial www.chicoxavierofilme.com.br

Exatamente no dia em que se comemora o centenário de Chico Xavier, uma vez que em sua última reencarnação ele nasceu em 02 de abril de 1910.

Veja o trailer do filme :
http://www.youtube.com/watch?v=NnW_YfBVEg0&feature

Muitas pessoas passarão a conhecer o Espiritismo através da repercussão deste filme. Sem dizer que é uma ótima oportunidade para levarmos ao cinema amigos e parentes que não conhecem a doutrina espírita.

No elenco :
NELSON XAVIER
ÂNGELO ANTÔNIO

MATHEUS COSTA
TONY RAMOS
CHRISTIANE TORLONI
GIULIA GAM

LETÍCIA SABATELLA
PEDRO PAULO RANGEL
GIOVANNA ANTONELLI

PAULO GOULART
CÁSSIA KISS
ROSI CAMPOSANA ROSA

domingo, 14 de fevereiro de 2010

JORNAL DA NOITE

COM O BÓRIS DE FÉRIAS, SEGUNDA E TERÇA VOU APRESENTAR O JONAL DA NOITE !

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Fonte de felicidade

" A única fonte de felicidade está dentro de nós. E deve ser repartida. É como espalhar perfume sobre os outros algumas gotas sempre acabam caindo sobre nós".
Mensagem de carnaval da irmã Maria Cristina

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Definitivo

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.
Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.
Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.
Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional...

(Texto recebido pela amiga Rebecca Boronat . Não sabemos a autoria. )

Curso na área de inclusão de pessoas com deficiência


O Instituto APAE DE SÃO PAULO promove curso na área de inclusão da pessoa com deficiência . No próximo dia 20 de fevereiro terá início a primeira turma do curso “Inclusão da Pessoa com Deficiência: Teoria e Prática”. As aulas são voltadas para profissionais e estudantes das áreas de educação e da saúde com o objetivo de proporcionar conhecimentos específicos e fundamentais sobre a inclusão da pessoa com deficiência na sociedade.

O curso, que este ano foi reformulado pela APAE DE SÃO PAULO, possui cinco módulos e será ministrado até 28 de agosto. As aulas acontecerão aos sábados, durante seis meses, das 9h às 17h, com carga horária de 180 horas. As inscrições poderão ser efetuadas até o dia do início do curso ou enquanto houver vagas.

O Instituto APAE DE SÃO PAULO se dedica à pesquisa e disseminação dos conhecimentos voltados para o bem estar e inclusão das pessoas com deficiência intelectual. “Nos últimos anos, a inclusão da pessoa com deficiência tem avançado bastante em relação aos direitos garantidos por lei e na conquista de espaços junto à sociedade. Isto requer um novo profissional no mercado, que atue diretamente junto a estes indivíduos e apontem soluções e possibilidades a serem aplicadas para a garantia dos direitos aprovados por lei”, ressalta Dalci Santos, gerente do Instituto APAE de São Paulo.
Serviço
Curso Inclusão da Pessoa com Deficiência: Teoria e Prática
Duração: de 20/02 a 28/08
Mais informações pelo site:
http://www.apaesp.org.br/
Tel (11) 5080-7061(de seg a sex, das 8h às 17h)
E-mail:
http://br.mc556.mail.yahoo.com/mc/compose?to=instituto@apaesp.org.br

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

antidepressivos

Imagens : Nivaldo Lima

Edição : Cecília Negrão

video

domingo, 7 de fevereiro de 2010

A alma boa de Setsuan


Em quase 2 horas Denise Fraga, Ary França e elenco representam as questões levantadas pelo dramaturgo alemão Bertolt Brecht . Assuntos atuais que incomodam e fazem refletir. Como ser bom e ao mesmo tempo sobreviver no mundo competitivo em que vivemos? Reconhecer as mentiras e se manter longe das pessoas insensíveis? Como oferecer ajuda sem sair completamente prejudicado?
Para conseguir sobreviver Chen Tê precisa se fantasiar de outra pessoa para ser justa e não só bondosa e fazer o que seu coração manda.
A peça não tem fim. A platéia faz o final de acordo com a alma de cada um. Boa ou ruim.


JORNAL DA BAND

video

Pela primeira vez apresentei o Jornal da Band. Na redação, a equipe estava com excelente astral, e com a ajuda de muitas pessoas, vibrando na mesma sintonia, fizemos um jornal com ótimo IBOPE.
Aliás, eu não teria conseguido ficar tranqüila se eu não tivesse me cercado com as boas energias dos meus queridos amigos. Todos que ligaram ou escreveram mensagens de incentivo também me protegeram de tudo o que pudesse acontecer.
Eu estava há 9 meses sem apresentar um telejornal e além do carinho dos meus amigos alguns momentos foram marcantes: O sorriso e brilho dos olhos da Van Kalil quando soube da novidade. O grito de alegria da Nadja Hadad e a preocupação em me ajudar com o texto do tempo em pleno sábado de folga... A Andressa Guaraná, muito gentil e atenciosa, me ensinou e ajudou a formatar o quadro do tempo. O Waldir Zwetsch, delicado e humano, me orientou e se preocupou com detalhes da estréia. O Anderson e as meninas da maquiagem e do figurino foram queridíssimas... Na despedida do Brasil Urgente, ao vivo, o Marcio Campos me desejou boa sorte... Sergio Costa na bancada e a cada break um sorriso de motivação. As 20h 20, boa noite e um ótimo domingo pra você.

Repercussão : http://www.midiasemmedia.com.br/kajuru/?p=119

video

http://videos.band.com.br/v_48731_cerca_de_200_mil_pessoas_estao_sem_agua_e_energia_no_rs.htm http://videos.band.com.br/v_48732_acusado_de_ser_o_mandante_da_morte_de_missionaria_volta_a_prisao.htm

video

Agora as árvores.

Em 44 dias seguidos de chuva São Paulo contabiliza 73 mortos e um desaparecido. Na última quinta-feira, a história se repetiu, deixando os moradores da maior cidade do país, mais uma vez, impotentes ao caos. Os bombeiros fazem buscas por duas pessoas desaparecidas, após as chuvas dos últimos dias no estado de São Paulo. Por dia 80 árvores caem na capital.

video

Edição : Cesar Schaeffer

Pós edição : Sergio Pazotto

Imagens : Roberto Kreeling

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Elegância...

Recebi esse texto da amiga Roseane. Não sabemos a autoria, mas é perfeito..

Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento . É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.

É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto. É uma elegância desobrigada . É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. Nas pessoas que escutam . E quando falam, não ficam a julgar sentindo-se o "dono da verdade". É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas. Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros. É possível detectá-la em pessoas pontuais . Em pessoas que sabem que os mais velhos, muitas vezes, são rabujentos e mesmo assim o tratam com a deferência que merecem . Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece , é quem presenteia fora das datas festivas , é quem cumpre o que promete... Oferecer flores é sempre elegante. É elegante não ficar espaçoso demais . É elegante você fazer algo por alguém e este alguém jamais saber o que você teve que se arrebentar para o fazer. É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao outro . É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais . É elegante retribuir carinho e solidariedade .

É elegante o silêncio , diante de uma rejeição. Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto. Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo , a estar nele de uma forma não arrogante. É elegante a gentileza ; atitudes gentis falam mais que mil imagens. Abrir a porta para alguém? É muito elegante. Dar o lugar para alguém sentar? É muito elegante. Sorrir , sempre é muito elegante e faz um bem danado para a alma. Oferecer ajuda ? Muito elegante. Olhar nos olhos ao conversar ? Essencialmente elegante. Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural pela observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.

A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver , que independe de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que "com amigo não tem que ter estas frescuras". Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão desfrutá-la. Educação enferruja por falta de uso!!E, detalhe: não é frescura!!

01.02


Hoje não é um desaniversário, é uma das datas que mais gosto. Acordei feliz demais para meus 29 anos. Aliás, só tenho acordado assim há meses. Sabendo diferenciar alguns momentos do “sempre”. Alguns verdadeiros amigos em meio a dezenas de conhecidos. Pacientemente compreendendo o processo da vida. Sem pressa, ilusões ou ambição. Feliz por todos os dias, valorizando cada situação, cada passagem. Inferno astral ? Nem pensar. Cada ano tenho mais certeza que isso é a gente que faz. Com sol ou chuva, o dia é especial !